de Marx, Engels, Lenine, Estaline, Mao Tsé-tung e outros autores
Segunda-feira, 11 de Outubro de 2010
Sobre o que aconteceu com o rei de Portugal

A imprensa burguesa, mesmo a mais liberal e de maior tendência «democrática», necessita apontar para uma moral de Centúrias Negras quando discute o assassinato do aventureiro português.

Vejamos, por exemplo, o correspondente de um dos melhores jornais democratas-burgueses da Europa, o Frankfurter Zeitung. Começa a sua história por um relato meio humorístico sobre a forma como os correspondentes acorreram a Lisboa, parecendo um bando mergulhando sobre uma presa, logo que se soube da notícia sensacional. «Partilhei um compartimento na carruagem-cama com um conhecido jornalista londrino », escreve o cavalheiro, «que começou a gabar-se da sua experiência: já tinha estado em Belgrado na mesma missão e considerava-se ‘um correspondente especial para casos de regicídio’».

Na realidade, o que aconteceu ao rei de Portugal é um verdadeiro «acidente de trabalho» de reis.

Não admira que tenhamos correspondentes profissionais especializados na descrição das “desventuras” profissionais de Suas Majestades.

Mas, por mais forte que seja o sensacionalismo barato e vulgar destes correspondentes, a verdade arranja sempre uma maneira de vir ao de cima. «Um lojista sedeado no bairro comercial mais movimentado» contou ao correspondente do Frankfurter Zeitung o seguinte: «‘Mal soube o que aconteceu, pendurei à porta uma flâmula de luto. Mas, passado pouco tempo, fregueses e conhecidos começaram a entrar e a perguntar-me se estaria no meu perfeito juízo ou determinado a arruinar o meu negócio’. Quer dizer que ninguém revela sentimentos de compaixão? perguntei-lhe. ‘Meu caro senhor, não iria acreditar nas respostas que me deram! E assim retirei a flâmula de luto’.»

Sobre este assunto, o correspondente liberal comenta:

«Um povo tão inatamente afável e amigável como o português deve ter passado por uma dura experiência para aprender a odiar de forma tão implacável mesmo um defunto. E se isto é verdade – como sem dúvida o é, e se o calasse estaria a distorcer a verdade histórica –, se para além dessas manifestações mudas que pronunciam um julgamento sobre a vítima coroada, a cada momento ouvimos palavras de despeito, mesmo de pessoas ‘respeitadoras da lei’, dirigidas à vítima de assassínio, vemo-nos naturalmente no desejo de analisar a rara combinação de circunstâncias que tornou tão anormal a psicologia de um povo. Porque um povo que não concede à morte o antigo e sagrado direito de reparar todos os pecados terrenos, deve estar moralmente já muito degenerado ou então têm de existir condições que engendrem um sentimento imensurável de ódio capaz de encobrir a visão clara do julgamento imparcial.»

Ó hipócritas liberais! Por que não denunciais como moralmente degenerados esses académicos e escritores franceses que ainda hoje odeiam e insultam com virulência não só as principais personalidades da Comuna de 1871, mas até os de 1793? Não só os combatentes da revolução proletária, mas até os da revolução burguesa? Porque os lacaios «democratas» da burguesia moderna acham «normal» e «moral» que o povo deva sofrer «afável» toda a espécie de indignidades, ultrajes e atrocidades às mãos de aventureiros coroados.

De outro modo, prossegue o correspondente (isto é, a não ser em resultado de condições excepcionais), «não poderíamos compreender o facto de já hoje um jornal monárquico falar das vítimas inocentes entre o povo com quase maior piedade do que o faz em relação ao rei, e vemos já com clareza como começam a formar-se lendas que envolvem os assassinos num halo de glória. Quando em quase todos os casos de assassínio os partidos políticos se apressam a dissociar-se dos assassinos, os Republicanos portugueses estão francamente orgulhosos do facto de os ‘mártires e heróis do 1 de Fevereiro’ provirem das suas fileiras…»

O democrata burguês, no seu excesso de zelo, vai ao ponto de estar disposto a descrever como uma «lenda revolucionária» o respeito que os cidadãos portugueses tributam aos homens que se sacrificaram para depor um rei que fizera da Constituição uma farsa!

O correspondente de outro jornal burguês, o Corriere della Sera de Milão, relata a censura severa imposta em Portugal após o regicídio. Os telegramas não são enviados. Os ministros e os reis não se caracterizam por essa «natureza afável» que tanto atrai o nosso honesto burguês no caso da massa do povo! Guerra é guerra – argumentam os aventureiros portugueses que ocuparam o lugar do rei assassinado. As comunicações tornaram-se quase tão difíceis como numa guerra. Os relatos da imprensa têm que ser enviados por vias travessas, primeiro por correio para Paris (talvez para um endereço privado), e daí transmitidas para Milão. «Nem mesmo na Rússia», escreve o correspondente em 7 de Fevereiro, «durante os períodos revolucionários mais violentos, foi a censura tão impiedosa como agora em Portugal.»

«Alguns jornais republicanos», diz este correspondente em 9 de Fevereiro, «escrevem hoje [no dia do funeral do rei] em termos que não me atrevo a repetir num telegrama.» Numa reportagem datada de 8 de Fevereiro, que chegou depois da de 9, o comentário do jornal O País sobre o funeral é citado:

«Foram a enterrar os restos mortais de dois monarcas, cinzas inúteis de uma monarquia em ruínas, sustentada na traição e no privilégio, cujos crimes aviltaram dois séculos da nossa história.»

«Trata-se, é claro, de um jornal republicano», acrescenta o correspondente, «mas não é o aparecimento de um artigo assim redigido no dia do funeral do rei um facto eloquente?»

Nós, pelo nosso lado, acrescentaremos apenas que só podemos lamentar uma coisa – que o movimento republicano em Portugal não tenha acabado de forma suficientemente resoluta e franca com todos os aventureiros. Lamentamos que no ocorrido com o rei de Portugal se veja ainda claramente um elemento conspirativo, isto é, de terror impotente, incapaz de atingir os seus objectivos, e que fica atrás do terror genuíno, popular e regenerador pelo qual se celebrizou a Grande Revolução Francesa. É possível que o movimento republicano em Portugal cresça ainda mais. A simpatia do proletariado socialista estará sempre do lado dos republicanos contra a monarquia. Mas o que até agora conseguiram, em Portugal, foi assustar a monarquia com o assassínio de dois monarcas, não eliminá-la.

Os socialistas em todos os parlamentos europeus expressaram, o melhor que puderam, a sua simpatia para com o povo e os republicanos portugueses, a sua aversão pelas classes dominantes, cujos porta-vozes condenaram o assassínio do aventureiro e expressaram simpatia para com os seus sucessores. Alguns socialistas expuseram abertamente os seus pontos de vista no parlamento, outros saíram durante os votos de simpatia para com os «sofredores» – a monarquia. Vandervelde, no Parlamento belga, escolheu o «meio termo» –o pior dos termos – engendrando para a ocasião uma frase que prestava homenagem a «todos os mortos», ou seja tanto o rei como os que o mataram. Esperamos que Vandervelde seja a excepção solitária entre todos os socialistas do Mundo.

A tradição republicana enfraqueceu consideravelmente entre os socialistas europeus. Isto é compreensível e até certo ponto justificável na medida em que a iminência de uma revolução socialista diminui a importância prática da luta por uma república burguesa. Frequentemente, porém, o afrouxar da propaganda republicana não traduz vigor na luta pela vitória total do proletariado, mas uma fraca consciência dos objectivos da revolução proletária em geral. Não sem razão procurava Engels, com a maior das ênfases, na sua crítica ao Projecto de Programa de Erfurt de 1891, gravar nas cabeças dos trabalhadores alemães a importância da luta pela república e a possibilidade dessa luta entrar na ordem do dia também na Alemanha.[1]

Connosco, na Rússia, a luta pela república é uma questão de significado prático imediato. Apenas os oportunistas pequeno-burgueses mais desprezíveis, como os Socialistas Populares, ou o “SD” de Malichevski (em relação a ele ver o Proletary, No. 7) poderiam retirar da experiência da revolução russa a conclusão de que na Rússia a luta pela república deve ser relegada para segundo plano. Pelo contrário, a experiência da nossa revolução provou que a luta pela abolição da monarquia é inseparável, na Rússia, da luta dos camponeses pela terra e da luta de todo o povo pela liberdade. A experiência da nossa contra-revolução mostrou que uma luta pela liberdade que não afecte a monarquia não é luta nenhuma, mas cobardia e frouxidão pequeno-burguesas ou clara intenção de burlar o povo pelos carreiristas do parlamentarismo burguês.



[1] Ver Friedrich Engels, Zur Kritik des sozial-demokratischen Programmentwurfes von 1891, Die Neue Zeit, Jg. XX, 1901, B. II, H. 1.



publicado por portopctp às 01:06
Ligação do texto | discustir | favorito
|

ligações
pesquisar
 
Outubro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
18

19
20
21
22
24
25

26
27
28
29
30
31


Textos colocados recentemente

O Capital 3.º Volume 3.ª ...

O Capital 3.º Volume 3.ª ...

O Capital 3.º Volume 3.ª ...

O Capital 3.º Volume 3.ª ...

"Esquerdismo", a doença i...

"Esquerdismo", a doença i...

"Esquerdismo", a doença i...

"Esquerdismo", a doença i...

PARA UMA LINHA POLÍTICA R...

"Esquerdismo", a doença i...

por autores e títulos

"esquerdismo" - a doença infantil do com

a catastrofe iminente e os meios de a co

a classe operária e o neo-malthusianismo

a guerra de guerrilhas

a propósito das greves

a questão do comércio livre

a situação militar em frança

acerca do porte na polícia

anarquismo ou socialismo?

aos pobres do campo

as possibilidades de êxito da guerra

as tarefas dos destacamentos do exército

carta ao comité de combate junto do comi

cartas de longe

chile: lição para os revolucionários de

comité lenine

conselhos de um ausente

da defensiva à ofensiva

discurso radiodifundido em 3 de julho de

do socialismo utópico ao socialismo cien

editorial do bandeira vermelha nº1

engels

estaline

imperialismo - estádio supremo do capita

jornadas sangrentas em moscovo

karl marx (breve esboço biográfico...

lenine

manifesto do partido comunista

mao tsé-tung

marx

marx e engels

mensagem do comité central à liga dos co

miséria da filosofia

notas sobre a guerra – xxxi

o capital

o direito à preguiça

o estado e a revolução

o exército revolucionário e o governo re

o materialismo dialéctico e o materialis

o nó ucraniano

os ensinamentos da insurreição de moscov

para uma linha política revolucionária

paul lafargue

pensar agir e viver como revolucionários

por onde começar?

que fazer?

que viva estaline!

reorganizar o partido revolucionário do

salário preço e lucro

sobre a prática

sobre o que aconteceu com o rei de portu

zëri i popullit

todas as tags

arquivos

Outubro 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Outubro 2012

Fevereiro 2012

Agosto 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2008

Fevereiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Junho 2007

Maio 2007

Março 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Junho 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

mais sobre mim
Visitantes a partir de 28 de Novembro de 2013
contador de visitas para blog
subscrever feeds