de Marx, Engels, Lenine, Estaline, Mao Tsé-tung e outros autores
Terça-feira, 26 de Março de 2013
Cartas de Longe - Quinta Carta

As tarefas da organização proletária revolucionária do Estado

Nas quatro cartas anteriores, as tarefas actuais do proletariado revolucionário da Rússia foram formuladas do seguinte modo: (1) saber chegar pela via mais correcta à etapa seguinte da revolução, ou à segunda revolução que (2) deve fazer passar o poder de Estado das mãos do governo dos latifundiários e dos capitalistas (os Gutchkov, os Lvov, os Miliukov, os Kérenski) para as mãos de um governo dos operários e dos camponeses pobres. (3) Este último governo deve organizar-se segundo o modelo dos Sovietes de deputados operários e camponeses. A saber, (4) deve demolir e liquidar por completo a velha máquina de Estado habitual em todos os países burgueses – exército, polícia, burocracia –, substituindo-a (5) por uma organização do povo em armas que não só não se limite a abarcar grandes massas, mas que compreenda todo o povo. (6) Só um tal governo, "tal" pela sua composição de classe ("ditadura democrática revolucionária dos operários e dos camponeses") e pelos seus órgãos de administração ("milícia proletária") estará em condições de resolver eficazmente o problema essencial do momento, problema extremamente difícil e de absoluta urgência, ou seja, conseguir a paz, uma paz que não seja imperialista, que não seja um tratado entre potências imperialistas para repartir o bolo que os capitalistas e os seus governos obtiveram através do saque, mas sim uma paz verdadeiramente duradoura e democrática, que não se pode conseguir sem a revolução proletária em vários países. (7) Na Rússia a vitória do proletariado só será possível num futuro próximo, caso os operários contem, acima de tudo, com o apoio da imensa maioria dos camponeses em luta pela confiscação de toda a propriedade latifundiária (e a nacionalização de toda a terra, se se considera que o programa agrário "dos 104" continua a ser, no fundo, o programa agrário do campesinato). (8) Relacionada com esta revolução camponesa, e com base nela, tornam-se possíveis e necessárias novas acções do proletariado em aliança com os elementos pobres do campesinato, acções dirigidas para conseguir o controlo da produção e da distribuição dos produtos mais importantes, a introdução de "trabalho geral obrigatório", etc.. Estes passos são impostos de maneira inevitável pelas condições criadas com a guerra, e que o pós-guerra irá agravar em muitos aspectos. No seu conjunto e no seu desenvolvimento, estes passos constituiriam a transição para o socialismo, que na Rússia não se pode realizar de um modo directo, de uma só vez, sem medidas transitórias, mas que é perfeitamente realizável e imperiosamente necessária como resultado de medidas transitórias desse tipo. (9) A tarefa de formar imediatamente uma organização especial de sovietes de deputados operários no campo, quer dizer, Sovietes de operários assalariados agrícolas, independentes dos sovietes dos demais deputados camponeses, é imperiosa.

Tal é, em resumo, o nosso programa baseado numa análise das forças de classe da revolução russa e mundial, bem como na experiência de 1871 e 1905.

Tentemos agora observar o conjunto deste programa e, de passagem, analisar a forma como o assunto foi abordado por K. Kautsky, o principal teórico da "Segunda” Internacional (1889-1914) e o mais proeminente representante da tendência, agora existente em todos os países, do "Centro", tendência de "pântano" que oscila entre os social-chauvinistas e os internacionalistas revolucionários. Kautsky abordou este assunto na sua revista Die Neue Zeit n.º 6 de Abril de 1917 (novo estilo) no artigo intitulado: "As Perspectivas da Revolução Russa".

"Primeiro que tudo", escreve Kautsky, "é preciso verificar quais as tarefas a enfrentar pelo regime revolucionário proletário" (o sistema de Estado).

"Duas coisas", continua o autor, "são urgentemente necessárias ao proletariado: democracia e socialismo".

Infelizmente, os avanços de Kautsky nesta tese absolutamente incontestável são realizados de forma extremamente geral, de modo que, em essência, nada diz e nada explica. Miliukov e Kerensky, membros de um governo burguês e imperialista, poderiam prontamente subscrever essa tese geral, um a primeira parte, e outro a segunda... [1]

 

Escrito em 26 de Março (8 de Abril) de 1917. Publicado pela primeira vez em1924 no N.º. 3-4 da revista «Bolshevik».



[1] O texto quebra aqui


por autores e títulos: ,

publicado por portopctp às 13:06
Ligação do texto | discustir | favorito
|

ligações
pesquisar
 
Outubro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
18

19
20
21
22
24
25

26
27
28
29
30
31


Textos colocados recentemente

O Capital 3.º Volume 3.ª ...

O Capital 3.º Volume 3.ª ...

O Capital 3.º Volume 3.ª ...

O Capital 3.º Volume 3.ª ...

"Esquerdismo", a doença i...

"Esquerdismo", a doença i...

"Esquerdismo", a doença i...

"Esquerdismo", a doença i...

PARA UMA LINHA POLÍTICA R...

"Esquerdismo", a doença i...

por autores e títulos

"esquerdismo" - a doença infantil do com

a catastrofe iminente e os meios de a co

a classe operária e o neo-malthusianismo

a guerra de guerrilhas

a propósito das greves

a questão do comércio livre

a situação militar em frança

acerca do porte na polícia

anarquismo ou socialismo?

aos pobres do campo

as possibilidades de êxito da guerra

as tarefas dos destacamentos do exército

carta ao comité de combate junto do comi

cartas de longe

chile: lição para os revolucionários de

comité lenine

conselhos de um ausente

da defensiva à ofensiva

discurso radiodifundido em 3 de julho de

do socialismo utópico ao socialismo cien

editorial do bandeira vermelha nº1

engels

estaline

imperialismo - estádio supremo do capita

jornadas sangrentas em moscovo

karl marx (breve esboço biográfico...

lenine

manifesto do partido comunista

mao tsé-tung

marx

marx e engels

mensagem do comité central à liga dos co

miséria da filosofia

notas sobre a guerra – xxxi

o capital

o direito à preguiça

o estado e a revolução

o exército revolucionário e o governo re

o materialismo dialéctico e o materialis

o nó ucraniano

os ensinamentos da insurreição de moscov

para uma linha política revolucionária

paul lafargue

pensar agir e viver como revolucionários

por onde começar?

que fazer?

que viva estaline!

reorganizar o partido revolucionário do

salário preço e lucro

sobre a prática

sobre o que aconteceu com o rei de portu

zëri i popullit

todas as tags

arquivos

Outubro 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Outubro 2012

Fevereiro 2012

Agosto 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2008

Fevereiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Junho 2007

Maio 2007

Março 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Junho 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

mais sobre mim
Visitantes a partir de 28 de Novembro de 2013
contador de visitas para blog
subscrever feeds