de Marx, Engels, Lenine, Estaline, Mao Tsé-tung e outros autores
Terça-feira, 16 de Abril de 2013
Carta ao Comité de Combate junto do Comité de S. Petersburgo

 Caros camaradas! Estou-vos muito reconhecido por me terem enviado: 1. O relatório do Comité de combate; 2. As notas sobre a organização da preparação da insurreição; 3. O esquema da organização. Depois de ter tomado conhecimento destes documentos, pensei ser meu dever dirigir-me directamente ao Comité de combate a fim de ter com ele uma amigável troca de impressões. Não é preciso dizer que não pretendo julgar questões práticas; está fora de dúvida que se faz tudo o que é possível fazer nas condições tão difíceis em que se encontra a Rússia. Mas a julgar pelos documentos, o trabalho arrisca-se a degenerar em papelada. Todos estes esquemas, todos estes planos de organização do Comité de combate dão a impressão de uma grande papelada. Peço-vos desculpa pela minha franqueza, espero que não suspeitem de algum desejo de chicana. Em semelhante questão os esquemas, as discussões, as palavras sobre as funções e os direitos do Comité de combate estão deslocados. O que aqui é preciso, é uma energia furiosa e sempre energia. Vejo com espanto, mas verdadeiramente com espanto, que se fala de bombas há mais de seis meses sem se ter fabricado uma única. E são as pessoas mais sabedoras que falam… ide ter com os jovens, senhores! Eis o único e salutar remédio. Senão asseguro-vos que se encontrarão atrasados (tudo mo indica) com memórias «eruditas», planos, gráficos, esquemas, receitas magníficas, mas sem organização, sem trabalho expressivo. Ide ter com os jovens! Formai imediatamente, em todo o lado, grupos de combate, formai-os sobretudo entre os estudantes e os operários, etc.. Que destacamentos militares de 3 a 10 homens, mesmo até 30 homens, se formem imediatamente. Que se armem imediatamente a si próprios como puderem, com um revólver, ou uma faca, ou um trapo impregnado de petróleo para servir de archote. Que estes destacamentos militares designem rapidamente os seus chefes e se ponham tanto quanto possível em contacto com o Comité de combate junto do Comité de Petersburgo. Não peçam nenhuma formalidade; nada de esquemas, por amor de Deus; enfim, peço-vos, todas as «funções, direitos e privilégios» para o diabo. Não exijam filiação obrigatória no POSDR; seria para a insurreição armada uma exigência absurda. Não recusem estabelecer ligação com o mais pequeno grupo, mesmo que só tenha três homens, com a única condição de não ter nenhum acordo com a polícia e esteja pronto a lutar contra as tropas do czar. Que os grupos que o desejarem, se filiem no POSDR ou se juntem a ele, está certo; mas considero absolutamente como um erro exigi-lo.

A tarefa do Comité de combate junto do Comité de Petersburgo deve ser ajudar estes destacamentos do exército, servir de «comissão» de ligação, etc. qualquer destacamento aceitará de boa vontade os vossos serviços, mas se começam neste assunto com esquemas e com discursos sobre os «direitos» do Comité de combate, perdem tudo, asseguro-vos, perdem tudo para sempre.

O que aqui é preciso, é uma grande propaganda. Que 5 a 10 homens visitem numa semana centenas de círculos operários e estudantes, penetrem por todo o lado onde se pode penetrar, proponham um plano claro, breve, directo e simples: formem imediatamente um destacamento, armem-se como possam, trabalhem com todas as forças, levar-vos-emos toda a ajuda possível, mas não esperem por nós, trabalhem vocês mesmos.

O principal neste assunto é a iniciativa da massa dos pequenos círculos. Eles farão tudo. Sem eles o vosso Comité de combate não é nada. Estou pronto a medir a eficácia dos trabalhos do Comité de combate pelo número de destacamentos deste género com os quais estará ligado. Se, num mês ou dois, o Comité de combate não tem em Petersburgo, pelo menos, de 200 a 300 destacamentos, será um Comité morto. Será preciso enterrá-lo. Não juntar, na efervescência actual, uma centena de destacamentos militares, é estar fora da realidade.

Os propagandistas devem fornecer a cada um dos destacamentos os mais simples e breves esquemas de bombas, uma exposição elementar do género de trabalho nas suas linhas gerais e deixá-los em seguida agir por si próprios. Os destacamentos devem começar imediatamente a sua instrução militar por operações de combate imediatas. Uns procederão já de seguida à supressão de um espião, outros farão ir pelos ares um posto de polícia; os outros atacarão um banco para arranjar os fundos necessários à insurreição, outros ainda farão exercícios ou esquemas, etc.. O indispensável é começar já de seguida a insurreição pela acção: não tenham medo destas experiências de ataque. Podem naturalmente conduzir a excessos. Mas isso será o mal de amanhã: enquanto que a nossa inércia, o nosso doutrinarismo, a nossa sábia imobilidade, o nosso modo senil de iniciativa, é o mal de hoje. Que cada destacamento faça a sua própria aprendizagem, espancando os agentes da polícia: o treino de centenas de combatentes, que conduzirão amanhã para o combate centenas de milhares de homens, compensarão a perda de algumas dezenas de homens.

Um grande aperto de mão, camaradas, e votos de grande sucesso. Eu não imponho, de maneira alguma, a minha opinião; mas penso ser meu dever usar do direito de voz consultiva. O vosso Lenine.

Escrito em 29[16] de Outubro de 1905



publicado por portopctp às 14:21
Ligação do texto | discustir | favorito
|

ligações
pesquisar
 
Outubro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
18

19
20
21
22
24
25

26
27
28
29
30
31


Textos colocados recentemente

O Capital 3.º Volume 3.ª ...

O Capital 3.º Volume 3.ª ...

O Capital 3.º Volume 3.ª ...

O Capital 3.º Volume 3.ª ...

"Esquerdismo", a doença i...

"Esquerdismo", a doença i...

"Esquerdismo", a doença i...

"Esquerdismo", a doença i...

PARA UMA LINHA POLÍTICA R...

"Esquerdismo", a doença i...

por autores e títulos

"esquerdismo" - a doença infantil do com

a catastrofe iminente e os meios de a co

a classe operária e o neo-malthusianismo

a guerra de guerrilhas

a propósito das greves

a questão do comércio livre

a situação militar em frança

acerca do porte na polícia

anarquismo ou socialismo?

aos pobres do campo

as possibilidades de êxito da guerra

as tarefas dos destacamentos do exército

carta ao comité de combate junto do comi

cartas de longe

chile: lição para os revolucionários de

comité lenine

conselhos de um ausente

da defensiva à ofensiva

discurso radiodifundido em 3 de julho de

do socialismo utópico ao socialismo cien

editorial do bandeira vermelha nº1

engels

estaline

imperialismo - estádio supremo do capita

jornadas sangrentas em moscovo

karl marx (breve esboço biográfico...

lenine

manifesto do partido comunista

mao tsé-tung

marx

marx e engels

mensagem do comité central à liga dos co

miséria da filosofia

notas sobre a guerra – xxxi

o capital

o direito à preguiça

o estado e a revolução

o exército revolucionário e o governo re

o materialismo dialéctico e o materialis

o nó ucraniano

os ensinamentos da insurreição de moscov

para uma linha política revolucionária

paul lafargue

pensar agir e viver como revolucionários

por onde começar?

que fazer?

que viva estaline!

reorganizar o partido revolucionário do

salário preço e lucro

sobre a prática

sobre o que aconteceu com o rei de portu

zëri i popullit

todas as tags

arquivos

Outubro 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Outubro 2012

Fevereiro 2012

Agosto 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2008

Fevereiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Junho 2007

Maio 2007

Março 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Junho 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

mais sobre mim
Visitantes a partir de 28 de Novembro de 2013
contador de visitas para blog
subscrever feeds