de Marx, Engels, Lenine, Estaline, Mao Tsé-tung e outros autores
Segunda-feira, 29 de Janeiro de 2007
A classe operária e o Neo-malthusianismo

A questão do aborto tem suscitado o debate no Congresso de Médicos, convocado em memória de Piragov. O relator Lichkus acrescentou dados demonstrativos da extraordinária difusão do aborto nos chamados Estados civilizados modernos.

Em Nova Iorque, tem-se registado 80.000 abortos por ano, em França registam-se mensalmente até 36.000. Em Petersburgo, a incidência de abortos duplicou em cinco anos.

O Congresso de Médicos em memória de Piragov decidiu que, em nenhum caso, a mãe incorrerá em responsabilidade criminal pelo aborto voluntário e que os médicos só devem ser sancionados quando se comprove que o motivo que os inspira tenha “finalidades egoístas”.

Nos debates, a maioria, ao pronunciar-se pela impunidade do aborto, tratou, como é natural, a questão do chamado neomathusianismo (medidas artificiais para evitar a gravidez), referindo-se, além disso, ao aspecto social da questão. Por exemplo, o senhor Vigdórchik, segundo o resumo do periódico Rússkoie Stovo, afirmou que “é preciso saudar as medidas anticoncepcionais” e o senhor Astraján perguntou, provocando uma tempestade de aplausos: “devemos persuadir as mães de que devem parir filhos para que logo sejam inutilizados nos centros de ensino, sejam levados ao sorteio de quintas e até lhes faça chegar o suicídio?”

Se é certa a notícia de que semelhante retórica do senhor Astraján suscitou clamorosos aplausos, esse facto não me espanta. Os ouvintes eram burgueses, pequenos e médios, com uma psicologia de filisteus. O que se pode esperar deles senão o mais vulgar liberalismo?

Porém, do ponto de vista da classe operária, dificilmente se poderá encontrar uma expressão mais patente do carácter reaccionário e da indigência espiritual do “neo-malthusianismo social” do que as mencionadas palavras do senhor Astraján.

“...Parir filhos para que logo os inutilizem...”. Somente para isso? Por que não para que lutem melhor, mais unidos, de um modo mais consciente e com maior energia do que nós contra as actuais condições de vida que mutilam e inutilizam a nossa geração?

Nisto consiste a diferença radical entre a psicologia do camponês, do artesão, do intelectual, do pequeno burguês em geral e a psicologia do proletário. O pequeno burguês vê e constata que sucumbe; que a vida se torna cada vez mais difícil; que a luta pela existência é cada vez mais impiedosa e que a sua situação e a de sua família se torna mais desesperante a cada dia que passa. O facto é indiscutível. E o pequeno burguês protesta contra isso.

Porém, como protesta?

Protesta como representante de uma classe que perece sem remissão e perdeu toda a esperança no seu futuro; de uma classe submissa e cobarde. Tudo é inútil; a única solução é ter menos filhos que sofram as nossas penas e calamidades, a nossa miséria e as nossas humilhações: este é o clamor do pequeno burguês.

O operário consciente está bem longe de tal ponto de vista. Não consentirá que obscureçam sua consciência com tais lamúrias, por mais sinceras e sentidas que sejam. Também nós, operários e a massa de pequenos proprietários, arrastamos uma existência marcada pelo estigma de um jugo e pelo sofrimento insuportável. Para a nossa geração, a vida é mais dura do que foi para os nossos pais, porém, num sentido, somos muito mais afortunados que eles: temos aprendido e estamos a aprender com rapidez a lutar e a lutar não sozinhos, como lutaram os melhores dos nossos antecessores, em nome das palavras de ordem de nossa própria classe. Lutamos melhor que os nossos pais. Os nossos filhos lutarão ainda melhor e vencerão.

A classe operária, longe de perecer, cresce, revigora-se, amadurece, une-se, instrui-se e forma-se na luta. Somos pessimistas com respeito ao regime de servidão, ao capitalismo e à pequena produção, porém, somos fervorosamente optimistas no que respeita ao movimento operário e aos seus fins. Já estamos a assentar os tijolos do novo edifício e os nossos filhos rematarão a obra.

Por isso – e somente por isso – somos incondicionais inimigos do neo-malthusianismo, desta corrente de casais defensores do poder da classe média, antiquados e egoístas: vivamos nós como pudermos e melhor será não ter filhos.

Naturalmente, isto não nos impede, de modo algum, de exigir a abolição absoluta de todas as leis que castigam o aborto ou a difusão de obras de medicina, nas quais se expõem medidas anticoncepcionais etc. Semelhantes leis não indicam senão a hipocrisia das classes dominantes. Estas leis não curam as doenças do capitalismo, mas fazem-nas particularmente malignas e perniciosas para as massas oprimidas. Uma coisa é a liberdade da propaganda médica e a protecção dos direitos democráticos elementares do cidadão e da cidadã, e outra coisa é a doutrina social do neo-malthusianismo. Os operários conscientes sustentarão sempre a luta mais implacável contra as tentativas de impor esta doutrina reaccionária e medrosa à classe social contemporânea mais avançada, mais forte e mais preparada para as grandes transformações.

 



publicado por portopctp às 18:54
Ligação do texto | discustir | favorito
|

ligações
pesquisar
 
Outubro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
18

19
20
21
22
24
25

26
27
28
29
30
31


Textos colocados recentemente

O Capital 3.º Volume 3.ª ...

O Capital 3.º Volume 3.ª ...

O Capital 3.º Volume 3.ª ...

O Capital 3.º Volume 3.ª ...

"Esquerdismo", a doença i...

"Esquerdismo", a doença i...

"Esquerdismo", a doença i...

"Esquerdismo", a doença i...

PARA UMA LINHA POLÍTICA R...

"Esquerdismo", a doença i...

por autores e títulos

"esquerdismo" - a doença infantil do com

a catastrofe iminente e os meios de a co

a classe operária e o neo-malthusianismo

a guerra de guerrilhas

a propósito das greves

a questão do comércio livre

a situação militar em frança

acerca do porte na polícia

anarquismo ou socialismo?

aos pobres do campo

as possibilidades de êxito da guerra

as tarefas dos destacamentos do exército

carta ao comité de combate junto do comi

cartas de longe

chile: lição para os revolucionários de

comité lenine

conselhos de um ausente

da defensiva à ofensiva

discurso radiodifundido em 3 de julho de

do socialismo utópico ao socialismo cien

editorial do bandeira vermelha nº1

engels

estaline

imperialismo - estádio supremo do capita

jornadas sangrentas em moscovo

karl marx (breve esboço biográfico...

lenine

manifesto do partido comunista

mao tsé-tung

marx

marx e engels

mensagem do comité central à liga dos co

miséria da filosofia

notas sobre a guerra – xxxi

o capital

o direito à preguiça

o estado e a revolução

o exército revolucionário e o governo re

o materialismo dialéctico e o materialis

o nó ucraniano

os ensinamentos da insurreição de moscov

para uma linha política revolucionária

paul lafargue

pensar agir e viver como revolucionários

por onde começar?

que fazer?

que viva estaline!

reorganizar o partido revolucionário do

salário preço e lucro

sobre a prática

sobre o que aconteceu com o rei de portu

zëri i popullit

todas as tags

arquivos

Outubro 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Outubro 2012

Fevereiro 2012

Agosto 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2008

Fevereiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Junho 2007

Maio 2007

Março 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Junho 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

mais sobre mim
Visitantes a partir de 28 de Novembro de 2013
contador de visitas para blog
subscrever feeds