de Marx, Engels, Lenine, Estaline, Mao Tsé-tung e outros autores

Quarta-feira, 15 de Maio de 2013
Conselhos de um ausente

 

Escrevi estas linhas em 8 de Outubro, sem grande esperança que no dia 9 já estivessem nas mãos dos camaradas de Petrogrado. É possível que cheguem demasiado tarde, visto que o congresso dos Sovietes da região do Norte está marcado para 10 de Outubro. Tentarei entretanto dar os meus «conselhos de ausente», para o caso em que a acção provável iminente dos operários e dos soldados de Petrogrado e «arredores» não tenha tido ainda lugar.

Que todo o poder deve passar aos Sovietes, isso é evidente. Não deve ser menos evidente para todo o bolchevique, que o poder revolucionário proletário (ou bolchevique, é a mesma coisa actualmente) está assegurado pela maior simpatia e pelo apoio sem reserva de todos os trabalhadores e explorados do mundo inteiro, nomeadamente nos países beligerantes, e entre o campesinato russo em particular. Estas verdades são universalmente bastante conhecidas e desde há muito tempo demonstradas, para que valha a pena insistir nelas.

É preciso fixar um ponto que, provavelmente para mais do que um camarada, não está totalmente claro, a saber: a passagem do poder aos Sovietes significa hoje, praticamente, a insurreição armada. Facto que parece evidente, mas no qual nem todos ainda reflectiram o suficiente.

Renunciar neste momento à insurreição armada seria renunciar à principal palavra de ordem do bolchevismo (todo o poder aos Sovietes) e a todo o internacionalismo proletário revolucionário, em geral.

Mas a insurreição armada é uma forma particular de luta política: está submetida a leis particulares, que é conveniente meditar atentamente. Karl Marx exprimiu este pensamento com um realce surpreendente quando escreveu: «Tal como a guerra, a insurreição armada é uma arte».

Eis algumas regras principais que Marx deu dessa arte:

  • 1.      Jamais brincar com a insurreição e, quando se a inicia, estar bem compenetrado da ideia de que é preciso marchar até ao fim.
  • 2.       Concentrar, no local decisivo, no momento decisivo, forças bastante superiores às do inimigo, senão este, melhor preparado e melhor organizado, aniquilará os revoltosos.
  • 3.       Uma vez começada a insurreição, é preciso agir com a maior decisão e passar completamente, custe o que custar, à ofensiva. «A defensiva é a morte de uma insurreição armada.»
  • 4.       É preciso esforçar-se por apanhar o inimigo desprevenido, por aproveitar o momento em que as suas tropas estiverem dispersas.
  • 5.       É preciso obter sucessos todos os dias, mesmo pouco consideráveis (pode-se dizer: a cada hora, quando se trata de uma cidade), conservando a todo o custo a «superioridade moral»,

Marx resumiu os ensinamentos de todas as revoluções sobre a insurreição armada citando a palavra de «Danton, o maior mestre de táctica revolucionária que a história conheceu: audácia, mais audácia, sempre audácia».

Aplicado à Rússia e a Outubro de 1917, isto quer dizer: ofensiva simultânea, a mais súbita e rápida possível, sobre Petrogrado, vindo absolutamente de fora e de dentro, dos bairros operários e da Finlândia, de Reval e de Cronstadt, ofensiva de toda a armada, concentração de forças bastante superiores aos 15-20 000 homens (talvez mais) da nossa «guarda burguesa» (alunos-oficiais) e das nossas «tropas vendeanas» (uma parte dos cossacos), etc..

Combinar as nossas três forças principais: a armada, os operários e as unidades de tropas, de modo a ocupar custe o que custar e a conservar, sejam quais forem as perdas que isso possa custar: a) o telefone; b) o telégrafo; c) as gares; d) as pontes em primeiro lugar.

Escolher os elementos mais resolutos (as nossas «tropas de choque», a juventude operária e os melhores marinheiros) e formar pequenos destacamentos encarregados de ocupar os pontos mais importantes e de participar por toda a parte em todas as operações decisivas, por exemplo:

Cercar e isolar Petrogrado, tomá-la com um ataque combinado da armada, dos operários e das tropas – tarefa que exige arte e uma tripla audácia.

Formar destacamentos compostos pelos melhores operários que, armados de espingardas e de granadas, marcharão sobre os «centros» do inimigo (escolas de alunos-oficiais, telégrafo, telefone, etc.) e cercá-los-ão sob a palavra de ordem: antes morrer até ao último do que deixar passar o inimigo.

Esperemos que se a insurreição está decidida, os dirigentes saibam aplicar eficazmente os grandes preceitos de Danton e de Marx.

O triunfo da revolução russa e da revolução mundial depende de dois ou três dias de luta.

Escrito em 21 [8] de Outubro de 1917


por autores e títulos: ,

publicado por portopctp às 15:43
Ligação do texto | discustir | favorito

ligações
pesquisar
 
Outubro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
18

19
20
21
22
24
25

26
27
28
29
30
31


Textos colocados recentemente

Conselhos de um ausente

por autores e títulos

"esquerdismo" - a doença infantil do com

a catastrofe iminente e os meios de a co

a classe operária e o neo-malthusianismo

a guerra de guerrilhas

a propósito das greves

a questão do comércio livre

a situação militar em frança

acerca do porte na polícia

anarquismo ou socialismo?

aos pobres do campo

as possibilidades de êxito da guerra

as tarefas dos destacamentos do exército

carta ao comité de combate junto do comi

cartas de longe

chile: lição para os revolucionários de

comité lenine

conselhos de um ausente

da defensiva à ofensiva

discurso radiodifundido em 3 de julho de

do socialismo utópico ao socialismo cien

editorial do bandeira vermelha nº1

engels

estaline

imperialismo - estádio supremo do capita

jornadas sangrentas em moscovo

karl marx (breve esboço biográfico...

lenine

manifesto do partido comunista

mao tsé-tung

marx

marx e engels

mensagem do comité central à liga dos co

miséria da filosofia

notas sobre a guerra – xxxi

o capital

o direito à preguiça

o estado e a revolução

o exército revolucionário e o governo re

o materialismo dialéctico e o materialis

o nó ucraniano

os ensinamentos da insurreição de moscov

para uma linha política revolucionária

paul lafargue

pensar agir e viver como revolucionários

por onde começar?

que fazer?

que viva estaline!

reorganizar o partido revolucionário do

salário preço e lucro

sobre a prática

sobre o que aconteceu com o rei de portu

zëri i popullit

todas as tags

arquivos

Outubro 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Outubro 2012

Fevereiro 2012

Agosto 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2008

Fevereiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Junho 2007

Maio 2007

Março 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Junho 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

mais sobre mim
Visitantes a partir de 28 de Novembro de 2013
contador de visitas para blog
subscrever feeds