de Marx, Engels, Lenine, Estaline, Mao Tsé-tung e outros autores

Quinta-feira, 30 de Maio de 2013
O nó ucraniano

Perto do fim de Fevereiro, ainda antes da conclusão da paz com a Alemanha, o Secretariado do povo da República Soviética Ucraniana ´tinha enviado a Brest-Litovsk uma delegação munida de uma declaração, na qual se dizia prestes a assinar o tratado concluído com a coligação alemã pelo velho Rada de Kiev[1].

O representante do comando alemão de Brest, o famoso Hoffmann, não quis receber a delegação do Secretariado do povo, com a qual, declarou, não via utilidade em realizar conversações de paz.

Ao mesmo tempo, os batalhões de choque alemães e austro-húngaros, de acordo com os destacamentos de gaidamaks[2] de Petlioura e de Vinnitchenko invadiram a Ucrânia soviética.

Não a paz, mas a guerra contra a Ucrânia soviética, tal era o sentido da resposta alemã.

Segundo o tratado assinado pelo velho Rada de Kiev, a Ucrânia devia fornecer à Alemanha, antes do fim de Abril, trinta milhões de pouds[3] de trigo, sem falar aqui da «exploração livre de minério» exigida pela Alemanha.

O secretariado do povo da Ucrânia soviética conhecia, sem dúvida alguma, esta estipulação do tratado e sabia no que se comprometia, ao expressar oficialmente o seu consentimento em assinar a paz nas condições de Vinnitchenko.

Apesar disso, o governo alemão, na pessoa de Hoffmann, recusava entrar em conversações de paz com o Secretariado do povo da Ucrânia, reconhecido por todos os sovietes da Ucrânia, urbanos e rurais. Ao tratado de paz com o Secretariado do povo da Ucrânia, reconhecido pelo povo ucraniano e o único capaz de fornecer «a quantidade necessária» de trigo, ele preferia a aliança com os mortos, a aliança com a Rada destruída e expulsada.

Isto significa que a invasão austro-alemã tem por fim não só obter trigo, mas sobretudo derrubar o poder soviético na Ucrânia e restabelecer o antigo regime burguês.

Isto significa que não só se quer extorquir da Ucrânia milhões de pouds de trigo, mas que ainda se quer suprimir todos os direitos dos operários e camponeses ucranianos, roubando-lhes o poder que eles tinham conquistado com o preço do seu sangue, para o transmitir aos grandes proprietários e aos capitalistas.

Os imperialistas da Áustria e da Alemanha trazem na ponta das suas baionetas um jugo novo e humilhante que não é nada melhor que o antigo jugo tatar. Tal é o sentido da invasão que chega do Ocidente.

O povo ucraniano compreendeu-o com evidência e prepara-se febrilmente para ripostar. A formação dum Exército Vermelho camponês, a mobilização da Guarda Vermelha operária, toda uma série de escaramuças vitoriosas contra os opressores «civilizados» após as primeiras manifestações de pânico, a reconquista de Bakhmatch, de Konotop, de Néjine e o recontro de Kiev, o entusiasmo sempre crescente das massas, que contra os opressores – tal é a resposta da Ucrânia popular à invasão dos escravizadores.

A Ucrânia soviética conduz uma guerra patriótica de libertação contra a opressão estrangeira que vem do Ocidente – tal é o sentido dos acontecimentos que se desenrolam na Ucrânia.

Isto significa que cada poud de trigo e cada pedaço de metal deverão ser tomados pelos alemães após aturados esforços, e depois de uma luta encarniçada com o povo ucraniano.

Isto significa que a Ucrânia deve ser formalmente conquistada para que os alemães recebam trigo e para que possam pôr no trono Petlioura-Vinnitchenko.

«A curta expedição», com a qual os alemães calculavam matar dois coelhos com uma cajadada (receber trigo e destruir a Ucrânia soviética), tem todas as probabilidades de se transformar em guerra prolongada dos escravizadores estrangeiros contra os vinte milhões de ucranianos aos quais querem retirar o trigo e a liberdade.

Será necessário acrescentar que os operários e os camponeses ucranianos não regatearão os seus esforços para sustentar uma luta heroica contra os opressores «civilizados»?

Será ainda necessário demonstrar que a guerra nacional começada na Ucrânia tem todas as probabilidades de poder contar com todo o apoio da parte de toda a Rússia soviética?

Que acontecerá se os operários e os soldados alemães, ao longo dessa guerra, compreenderem finalmente que os cabecilhas da Alemanha não são de modo algum guiados pela preocupação da «defesa da pátria alemã», mas obedecem pura e simplesmente aos instintos insaciáveis duma besta farta até rebentar, e depois de o terem compreendido, tirarem daí as conclusões práticas que se impõem? Não é evidente que a Ucrânia se constitui actualmente como um nó fundamental de toda a actualidade internacional, um nó da revolução operária, começada na Rússia e da contra-revolução imperialista que vem do Ocidente?

A besta imperialista farta até rebentar, matando-se contra a Ucrânia Soviética, não é ao que conduz actualmente a lógica inexorável dos acontecimentos? ...

 

Izvestia n.º 47, 14 de Março de 1918



[1] Rada de Kiev ou Rada Central – governo contra-revolucionário da Ucrânia (1917-1918) que colaborou activamente com os ocupantes alemães.

[2] Tropas de guerrilheiros e de cossacos da Ucrânia que operavam contra a dominação polaca (séc. XVIII).

Em 1918-1919 o exército contra-revolucionário da Ucrânia, comandado pelo cossaco Skoropadski, adoptou o mesmo nome, tendo sido esmagado pelo Exército Vermelho.

[3] Medida de peso russa equivalente, aproximadamente a 16 Kg.


por autores e títulos: ,

publicado por portopctp às 14:35
Ligação do texto | discustir | favorito

ligações
pesquisar
 
Outubro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
18

19
20
21
22
24
25

26
27
28
29
30
31


Textos colocados recentemente

O nó ucraniano

por autores e títulos

"esquerdismo" - a doença infantil do com

a catastrofe iminente e os meios de a co

a classe operária e o neo-malthusianismo

a guerra de guerrilhas

a propósito das greves

a questão do comércio livre

a situação militar em frança

acerca do porte na polícia

anarquismo ou socialismo?

aos pobres do campo

as possibilidades de êxito da guerra

as tarefas dos destacamentos do exército

carta ao comité de combate junto do comi

cartas de longe

chile: lição para os revolucionários de

comité lenine

conselhos de um ausente

da defensiva à ofensiva

discurso radiodifundido em 3 de julho de

do socialismo utópico ao socialismo cien

editorial do bandeira vermelha nº1

engels

estaline

imperialismo - estádio supremo do capita

jornadas sangrentas em moscovo

karl marx (breve esboço biográfico...

lenine

manifesto do partido comunista

mao tsé-tung

marx

marx e engels

mensagem do comité central à liga dos co

miséria da filosofia

notas sobre a guerra – xxxi

o capital

o direito à preguiça

o estado e a revolução

o exército revolucionário e o governo re

o materialismo dialéctico e o materialis

o nó ucraniano

os ensinamentos da insurreição de moscov

para uma linha política revolucionária

paul lafargue

pensar agir e viver como revolucionários

por onde começar?

que fazer?

que viva estaline!

reorganizar o partido revolucionário do

salário preço e lucro

sobre a prática

sobre o que aconteceu com o rei de portu

zëri i popullit

todas as tags

arquivos

Outubro 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Outubro 2012

Fevereiro 2012

Agosto 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2008

Fevereiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Junho 2007

Maio 2007

Março 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Junho 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

mais sobre mim
Visitantes a partir de 28 de Novembro de 2013
contador de visitas para blog
subscrever feeds